O Lado B desses êmes-pê-não-sei-do-quê

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

“É possível que dentre o silêncio dos nossos pensamentos,
ao som do lado b que deixou de existir nesses êmes-pê-não-sei-do-quê,
pudesse se ouvir um ‘oi’ no meio de um riff clichê.”

– Dezembro de 2008


Eu deveria ter uns cinco ou seis anos na época em que comecei a me interessar pela música. Não a entender ou ter bandas favoritas, claro. Naquela época meus pais tinham muitos vinis, dos mais variados possíveis, e como eu tinha acabado de aprender a ler e inglês não era o meu forte, assim como o português, a batida e a sonoridade eram mais importantes do que o nome das bandas.

Lembro de uma vez em que azucrinei meu irmão mais velho para ele comprar um vinil do ratinho Topo Gigio, que era personagem de um programa infantil transmitido na época pela Bandeirantes. Fomos até uma loja de discos, esperamos a eternidade de alguns minutos para uma criança de cinco anos, e lembro de como fiquei desapontado quando a atendente disse que só tinha um com músicas em italiano. Saímos de lá com uma fita K7 da Turma da Mônica.

Voltando da loja, com meu irmão, a “febre” com a fita da Mônica e sua turma durou apenas alguns dias. A minha curiosidade se voltou novamente aos discos e ao fascinante processo de como o som era projetado a partir de uma agulha e um disco rodando.

– Como é que eles colocam a música nessa agulhinha, mano ?
– Não é da agulha que sai o som, é desse disco rodando aí.
– E como eu posso gravar um disco ?
– Não dá. Mas você pode gravar uma fita.

Bingo ! Eram todas as palavras necessárias para dar um “start” na imaginação de uma criança:

– Coloca a fita, aperta Pause, depois Rec, coloca a agulha na faixa do disco que quer, tira do Pause e repete o processo em toda faixa que você quiser.

Meu irmão deu início à primeira fase Rob Gordon da minha vida, onde eu gravei as mais variadas e possíveis mash ups em fitas K7.

Mas o que me fez escrever sobre essas coisas, foi a saudade do Lado B. Sim, aquele lado do vinil e do K7 que quase ninguém ouvia. Pois, fora a primeira faixa do Lado A, as músicas mais legais – na minha opinião – estavam do outro lado: “Rock Around the Clock” (Bill Haley & His Comets), “We Will Rock You” (Queen), “How Soon is Now ?” (The Smiths), “Strawberry Fields Forever” (The Beatles), “Wouldn’t It Be Nice” (The Beach Boys), “Don’t Be Cruel” (Elvis Presley) e tantas outras.

De certa forma o Lado B era romântico. Sério, pensem comigo. Você levava cerca de 30 minutos para chegar até ele e ouvir a música que você tanto gostava. Mas antes que ela terminasse, já ficava com saudades, porque levaria agora mais uns 50 minutos para ouvir ela de novo.

E 21 anos depois, ao relembrar e escrever todas essas coisas, gostaria de agradecer de alguma forma ao meu irmão e o Mauricio de Sousa por terem me ensinado a gravar os melhores “B-Sides” da minha infância.

E claro, em me tornar o maior serial killer infantil dos K7 de Milionário e José Rico, Chitãozinho & Xororó, Sérgio Reis e sua turma.

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Chaplin: com um sorriso e talvez, uma lágrima

Em uma época que não havia efeitos especiais, lá estavam os personagens, mudos, monocromáticos, mas nem por isso menos mortais. Eram deuses, enchendo de vida os olhos da platéia com suas expressões sinceras e humanas. Deixamos, naquele tempo, a discriminação de lado ao nos apaixonarmos por um maltrapilho de bengala e fazer o bom uso […]

Ler o post

Top #5: Documentários

Botinada, 2006 A Origem do Punk no Brasil | Assista ao trailer Curiosidade: O documentário foi dirigido pelo VJ e Jornalista, Gastão Moreira. Houve também uma versão extra-oficial com imagens e músicas de bandas internacionais que não sairam na versão oficial devido ao alto preço cobrado pelas gravadoras para liberar essas imagens e músicas. When […]

Ler o post

The Good The Bad: o new surf music para +18

Formada por Adam Olsson, Johan Lei Gellett e Manoj Ramdas (guitarrista do The Raveonettes), a The Good The Bad é uma banda dinamarquesa composta por duas guitarras e uma bateria. Autodenominados de “nem tão bons, ruins e definitivamente não tão feios”, o resultado é a junção de duas das melhores coisas desse mundo: sexo e música. O “new school […]

Ler o post

Dean & Jerry: You got a friend in me…

Dino Paul Crocetti, filho de italianos, nasceu em 1917 nos Estados Unidos. Largou os estudos quando terminou a décima série (algo como a 8a série no Brasil) pois achava que era mais esperto que seus professores. Trabalhou de entregador de garrafas, croupier de blackjack e foi até boxeador aos 15 anos, conhecido como Kid Crochet. […]

Ler o post

Top #5: Filmes Biográficos

Johnny & June (Walk The Line, 2005) Johnny Cash e June Carter | Assista ao trailer Curiosidade: os próprios, Johnny Cash e June Carter, escolheram Joaquin Phoenix e Reese Whiterspoon para os papéis, mas ambos não chegaram a ver o filme concluído. Control (Control, 2007) Ian Curtis e o Joy Division | Assista ao trailer Curiosidade: o filme […]

Ler o post