MULHER COM BRÂNQUIAS: TRANSFORMAÇÕES E RENOVAÇÕES COM PATRÍCIA BAIKAL

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Mulher com Brânquias é um livro de suspense psicológico de Patrícia Baikal, e fala sobre Rita, uma professora de trinta e poucos anos que está vendo sua realidade ser invadida por um ser fantasmagórico e revelador, um peixe grande que a força a lidar com seu passado.

LEIA MULHER COM BRÂNQUIAS AGORA MESMO

Patrícia Baikal é escritora mineira-brasiliense e também servidora pública. A dona de uma cicatriz na perna direita desde os 5 anos de idade (quando pulou “da janela do quarto achando que podia voar porque estava fantasiada de Mulher Maravilha”) é a autora de Mulher com Brânquias, obra de suspense que flerta com o terror psicológico e se tornou destaque entre os trabalhos independentes. Íntima das palavras desde muito cedo, Patrícia já escrevia histórias com seus oito anos, principalmente peças de teatro, que eram filmadas pelo pai na época da escola.

Mulher com Brânquias tinha sua ideia inicial baseada em duas frentes: a criação de uma mulher-monstro (fantasia) e o enfrentamento com um passado familiar com grande influência no presente da protagonista (realidade). “Para ligar essas duas premissas, usei o realismo fantástico, misturando o real com o imaginário, tentando criar cenas em que esses elementos pudessem se confundir e se conectar”, conta.

A escolha da figura de peixe para caracterizar o monstro também não é à toa. “Em muitas sociedades, ele significa renovação e o acesso às zonas profundas do nosso inconsciente. Portanto, essa figura tinha tudo a ver com o processo pelo qual a protagonista passaria, de autodescoberta“, comenta Patrícia.

O livro, que levou aproximadamente 2 anos para ser concluído, passou por escritas, revisões, submissões a leitores betas e críticos. Patrícia aproveitou o momento para estudar tudo o que envolvesse sua história a fim de torná-la mais verossímil. “Fiz aulas de mosaico, estudei a morfologia de peixes, o estilo arquitetônico neogótico, li algumas passagens da bíblia e entrevistei psicólogos.

Inspirada por autores como Kafka, Mary Shelley e Isabel Allende, Patrícia soube aproveitar o melhor de todos os mundos para compor a história de Rita e a relação dela com seu passado, com vida e morte. Toda a jornada da protagonista converge para um momento de descoberta e renovação, em uma busca pela ruptura de padrões.

As ilustrações de Fabiana Rezende ajudaram a dar corpo ao clima do livro. O peixe continua presente, bem como as brânquias e escamas que surgem na protagonista. A transformação de Rita se dá de maneira metafórica e essa morfologia diferente permite que a personagem se adapte, se adeque. “Uma mulher com brânquias consegue sobreviver na água e no ar. Além disso, as brânquias simobolizam um questionamento sobre a aceitação do nosso corpo. Às vezes, nos sentimos feios e fora do padrão por sermos diferentes da maioria, mas aquilo que nos torna bonitos é exatamente o que nos faz diferentes“, complementa.

A JORNADA DOS AUTORES INDEPENDENTES

O bom de ser um autor independente é que você participa de todo o processo: escrita, revisão, capa, divulgação, distribuição, e acaba aprendendo um pouco sobre a lógica do mercado editorial“, conta Patrícia.

De fato, esse parece ser o maior aprendizado de quem publica seus trabalhos sozinho. Outros autores nacionais que já passaram aqui pelo Pipoca Musical reconhecem o valor dessa jornada e pontuam que, muitas vezes, a autopublicação é um primeiro passo para quem quer, um dia, ser publicado em uma grande editora.

O lado ruim, claro, gira em torno dos custos e riscos de investimento por parte do autor. Acreditar no próprio trabalho é fundamental, e achar mais pessoas que acreditem é uma missão e tanto. “A distribuição dos livros fica muito deficiente, pois as grandes livrarias só comercializam livros de editoras, então o e-book facilita um pouco essa questão, já que nas plataformas digitais o livro fica acessível para qualquer pessoa no mundo baixar”, complementa a autora.

Quando perguntada sobre seus planos literários, Patrícia Baikal comenta que, a curto prazo, quer fazer o livro Mulher com Brânquias em formato físico “e sentir o cheiro das folhas dele”. A médio prazo, já planeja um próximo livro que flerta com o realismo fantástico. Tudo para que, num futuro talvez nem tão distante, se aposente escrevendo livros e cuidando de uma hortinha em seu quintal.

JOGO RÁPIDO COM PATRÍCIA BAIKAL

Três filmes:
Matrix (Wachowski)
Os Outros (Alejandro Amenábar)
Cisne Negro (Darren Aronofsky)

Três livros:
Condenada (Chuck Pahlaniuk)
A Hora da Estrela (Clarice Lispector)
A Casa dos Espíritos (Isabel Allende)

Três bandas:
Pearl Jam
Legião Urbana
U2

Acompanhe as novidades da autora nos canais:
Website | Instagram | Facebook

Ficha Técnica

Título: Mulher com Brânquias
Autor: Patrícia Baikal
Páginas: 186
Gênero: Suspense
Compre: eBook

Mulher-Maravilha, Saga, Sam Dora e outras HQs na #GeekFest

A #CCXP – Comic Con Experience 2018 tá chegando e eu quero que você economize seu dinheiro pra usar tudo no Artist’s Alley! Confira 8 dicas de livros e quadrinhos com desconto na #GEEKFEST da Amazon e use o cupom PIPOCA10 nos títulos mencionados pra conseguir um precinho ainda melhor. USE O CUPOM PIPOCA10 ATÉ […]

Ler o post

CAMA DE GATO, IRONIA E AUTODESTRUIÇÃO DE KURT VONNEGUT

Cama de Gato, livro de Kurt Vonnegut republicado no Brasil pela Editora Aleph, explora questões científicas, sociais, tecnológicas e religiosas que são bem atuais no momento político e armamentista em que nos encontramos. A estupidez humana nunca sai de moda. COMPRE O LIVRO: Amazon | Livraria Cultura VEJA TAMBÉM – 15 Curiosidades sobre Cama de […]

Ler o post

PIQUENIQUE NA ESTRADA: SOMOS MUITO INSIGNIFICANTES

Conheça o livro Piquenique na Estrada, uma das obras da literatura soviética mais exportadas de todos os tempos, escrita pelos irmãos Strugátski em 1971 e publicado anos depois no país de origem, após inúmeras edições textuais para atender à conduta moral esperada nos livros. A edição da Aleph conta com o texto original, sem cortes, […]

Ler o post

3 COISAS QUE APRENDEMOS COM O LIVRO “MINDHUNTER”

Quem cunhou o termo “serial killer”? Existe a famosa “semente do mal”? Por que existem menos serial killers mulheres nos registros? O livro “Mindhunter” é uma biografia de John E. Douglas focada no período em que ele e seu amigo Robert Ressler, juntos, instauraram a análise comportamental por meio da psicologia no FBI.

Ler o post