Hansel & Gretel, a versão de Neil Gaiman

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Neil Gaiman está de volta (gente, ele não para de lançar livros) com a sua própria versão de Hansel & Gretel ou, para nós, brasileiros, João & Maria. Desta vez com o apoio do ilustrador italiano Lorenzo Mattotti (também ganhador de um Eisner Award pela sua graphic novel Dr. Jekyll & Mr. Hyde), que traz certo horror na escuridão das imagens que acompanham a narrativa dessa obra.

COMPRE AGORA: Amazon | Submarino | Americanas | Versão em inglês (Amazon)

Você conhece o conto, certo? A história começa com um lenhador, uma esposa e seus dois filhos. Os tempos eram bons, até que a comida começou a faltar. E aí a fome veio, fazendo com que a esposa persuadisse o marido a deixar as crianças na floresta, com a defesa de que era melhor dois morrerem do que quatro.

hansel and gretel neil gaiman lorenzo mattotti, livros em ingles, pipoca musical
Na primeira tentativa de abandonar as crianças, elas encontraram o caminho de casa. Na segunda, não. Desesperadas, elas buscam uma saída na floresta e acabam encontrando uma casa velha de doces, e ficando na companhia de uma velhota muito esquisita, que transforma a vida deles em pesadelo.

hansel and gretel neil gaiman lorenzo mattotti, livros em ingles, pipoca musical

A escrita de Gaiman implora para que o livro seja lido em voz alta. Talvez você ache engraçado, mas é super divertido fazer as vozes :P Lembro que fiz a mesma coisa quando eu li Fortunately, the Milk, até porque tinha o apoio de um audiobook narrado pelo próprio Neil Gaiman.

hansel and gretel neil gaiman lorenzo mattotti, livros em ingles, pipoca musical

Ainda que não seja uma versão nova de João & Maria, Neil Gaiman consegue dar a sua cara para o conto. Tudo bem que os contos de fadas originais já eram meio assustadores, mas o pesadelo está em cada frase, suave como um tempero bem colocado.

Talvez você ache esquisito uma mãe cogitar o sacrifício do filho, e é por isso que algumas versões do conto dão a autoria do plano a uma madrasta egocêntrica, mas Gaiman traz esse horror original de volta. O mesmo vale para o que Hansel usa para criar sua trilha. Na primeira vez em que a mãe menciona o plano, Hansel escuta e se prepara com pedrinhas fáceis de enxergar para jogar no chão, mas na segunda vez que os pais abandonam eles, Hansel nem imaginava, portanto usou o que tinha à mão: pão.

hansel and gretel neil gaiman lorenzo mattotti, livros em ingles, pipoca musical

As ilustrações de Lorenzo Mattotti são um show à parte. Constantes, elas aparecem a cada duas ou três páginas de história, e nos tomam com o contraste de luz e escuridão. Os personagens são meras silhuetas, a opressão da floresta e da casa da velha (eu ia escrever bruxa, mas Gaiman não se refere a ela como bruxa, há!!, mais uma mudança) são mais importantes aqui.

A diagramação do livro também tem que ser mencionada, tem toda a cara de contos de fadas, com esses detalhes de caixa alta no início da frase, florzinhas nas laterais e tudo o mais. Além disso, a edição tem capa dura, uma peça de luxo para os fãs do Gaiman.

hansel and gretel neil gaiman lorenzo mattotti, livros em ingles, pipoca musical

Outra coisa legal para ser mencionada é que, no final do livro, há um pequeno texto falando a respeito da evolução da história de Hansel & Gretel ao longo do tempo, comentando essas mudanças da mãe para madrasta, da velha para a bruxa. E também cita que a história toda sugere uma inspiração na Grande Fome de 1315, a primeira de uma série de crises da Europa que causaram milhões de mortes, marcando o fim de um período anterior de prosperidade.

E aí, você gosta dos “contos de fadas” que ganharam tantas versões durante esses anos todos? Hansel & Gretel é uma história de persistência e sobrevivência, mas também mostra o que podemos fazer em períodos de crise. Talvez abandonar um filho seja algo muito duro para se dizer, mas e quando a fome realmente aperta? O que somos capazes de fazer com os outros?

Ficha Técnica

Título: Hansel & Gretel
Autor: Neil Gaiman
Ilustrador: Lorenzo Mattotti
Ano: 2014
Editora: Toon Graphics
Páginas: 56
Skoob: adicione à lista
Compre: Book Depository | Amazon | Submarino | Americanas | Versão em inglês (Amazon)

Comentar resposta para Guilherme Frodo Cancelar

Comentários

Comentários do Facebook

11 comentários via blog

  1. Brubs comentou em

    Gaiman sendo Gaiman. Gostei da ilustração e do trabalho do livro no geral. Ver a versão de clássicos nas mãos de escritores como Neil é sempre válido. Eu to afim de começar a ler umas coisas em inglês também, tem algumas sugestão fora a Amazon?
    Ótema resenha como sempre, bjss

    1. Gaiman sendo Gaiman, exato. Gostei bastante da história, principalmente de ficar lendo ela em voz alta, ahahaha. :P

      Sobre as sugestões, hummm, você diz de loja? Tem o Book Depository que não cobra frete, mas demora bastante pra chegar. Agora, se for dica de leitura, um bem legal pra começar é o The Lover’s Dictionary. E esses assim, infantis, tipo Hansel & Gretel também. :)

      Beijos!

      1. Brubs comentou em

        Era dica de loja, mas a sugestão pra beginners tbm é bem-vinda rsrs

        1. AH BOM, hahaha. Amazon e Book Depository são as duas melhores, Brubs. :)

  2. Guilherme Frodo comentou em

    Gaiman sendo Gaiman!

    Eu gosto muito da forma como ele escreve histórias “infantis”, nunca indo pelo caminho fácil e previsível. E ele tem um verdadeiro dom em fazer nossa mente ter aquela sensação de estar flutuando em direção a um mundo de sonhos. Impossível ler um conto ou livro dele e se sentir “meh”.

    Falando em fábulas, Fables do Bill Willingham é outra leitura fantástica de se fazer, embora sejam graphic novels. Ótima pedida :)

    Excelente resenha! \o/ Vou ler com certeza.

    1. Oi Frodo :)

      Eu adoro as histórias do Gaiman, ele torna mesmo a história mais simples em algo diferente, com a cara dele. Concordo com você: a gente fica meio “meh!”, hahaha. Sandman pra mim é o melhor exemplo.

      Não conhecia esse Fables que você mencionou, mas vou atrás para conhecer. Ainda mais sendo graphic novel. :D

      Abração, obrigada por dar uma passadinha aqui ;)

  3. Hey!
    Adoro o Gaiman e adoro seus posts! <3
    Estou ansiosa para ver o "toque" dele em João e Maria, rs.
    Interessantíssimo ele abordar essa questão da originalidade do conto, colocando os personagens "reais". Realmente, o conto de João e Maria surgiu na Europa durante a Crise Feudal – peste negra, alimentos escassos etc – e acho legal essa mistura, ou melhor, esse referencial de onde e como surgiu o conto, porque afinal, ele foi o produto de uma sociedade. E por mais incomum que nos possa parecer era comum o abandono dos filhos pelos pais, justamente por causa da vida precária em que viviam. O conto, naquele dado contexto, era super normal e apropriado, rs. E se quiserem uma dica há um historiador que trabalha com essa questão dos contos, Robert Darnton em o Massacre de Gatos nos deixa maravilhados com sua conclusão sobre Chapeuzinho Vermelho – embora criticado pela academia, ele tece uma análise super coerente e baseada em documento. Bom, mas já estou falando – e sendo chata – como uma historiadora.

    Beijinhos Raquel! <3

    1. Oi Karoline,

      Nada como falar com alguém que manja de história, hahaha. É meio creepy pensar em abandonar um filho, né, mas ainda é comum, de qualquer forma. O conto é bem realista, mesmo. :(

      A respeito do Darnton, adorei a dica, vou procurar mais a respeito. Tenho aqui “A Psicanálise dos Contos de Fadas”, do Bruno Bettelheim, que parece bem interessante também. Não sei se você conhece. :D

      Beeeeijo, e pode deixar comentários assim sempre que quiser, hahaha. <3

      1. O Robert Darnton cita o Bruno Bettelheim no livro, mas a crítica não é lá muito boa. Ele crítica a falta de contexto histórico que o Bruno têm, ele não leva em conta a cultura da sociedade que o escreveu, ao contrário, é anacrônico, propondo conceitos muito recentes para o conto. O que deixa a análise um pouco superficial, porém mesmo assim, acho que vale a leitura, até para entender o porque da crítica que lhe é feita.

        Beijinhos!

        1. É, bom, pretendo ler o livro do Bruno considerando que a análise é sobre a psicanálise dos contos e não apenas com uma contextualização histórica. Vamos ver no que dar. :D Beijinhos!