Stupid White Men: Uma Nação de Idiotas

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

O 911 não funciona. O 411 não funciona. Os telefones celulares não funcionam e, quando funcionam, estão na mão de algum idiota na mesa ao lado que discute com seu corretor de ações enquanto tentamos comer nosso jantar.

Liberdade de escolha é uma coisa do passado. Fomos reduzidos a seis empresas de comunicação, seis empresas de transporte aéreos, duas e meia montadoras de carros e um conglomerado de rádio. Tudo o que jamais precisaremos pode ser encontrado no WalMart. Podemos escolher entre dois partidos políticos que parecem iguais, votam da mesma forma e recebem fundos exatamente dos mesmos doadores ricos. Podemos escolher vestir roupas indefinidas em tom pastel e nos mantermos calados, ou podemos escolher usar uma camiseta do Marilyn Manson e sermos expulsos da escola. Britney ou Christina, Warner Bros. ou UPN, Flórida ou Texas – não existem diferenças, gente; é tudo igual, é tudo igual, é tudo igual.

Como foi que isso aconteceu? Três palavras: Stupid White Men.

Michael Moore é um cara legal. Ele me ensinou a gostar de Marilyn Manson, ao entrevistá-lo no documentário Tiros em Columbine e perguntar porque as pessoas atribuiram aquele terrível massacre à ele. E quem não se lembra do discurso maneiríssimo quando recebeu o Oscar em 2002, por este mesmo documentário? “Faço não-ficção em um país que numa eleição fictícia elegeu um presidente fictício que nos mandou para uma guerra fictícia. Tenha vergonha, Mr. Bush.”

Michael Moore é um cara legal porque mostra às pessoas o quão errado é o sistema político do seu país, e como a infraestrutura é prejudicada em função do governo que estava no poder.

Michael Moore te conquista em um parágrafo. Ele incomoda com um discurso em tom doce, com palavras amargas. Você não entende de política? Não faz mal, não é preciso entender de política para ver algo errado. Aceite uma conversa com Michael Moore.

A língua afiada joga uma verdade atrás da outra e lhe questiona: você acha normal seus rios estarem poluídos enquanto centenas de indústria engordam os cofres? Se você não dá a mínima para o meio-ambiente, tem outra melhor: você acha normal seu filho que ficou doente trabalhando no McDonald’s ter que ir ao Canadá ter um tratamento decente? Você acha normal um presidente ganhar uma eleição sem ter votos suficientes? Não, não é normal. Seus direitos humanos são depostos em favor dos milionários, as escolas não recebem a atenção necessária e, quando um massacre ocorre, a culpa é de um astro do rock. Como foi que isso aconteceu?

Michael Moore declara, em alto e bom tom: quem mora (ou morava, quando o livro foi escrito) na avenida Pensilvânia, número 1600 é o “presidente” dos EUA, George W. Bush, o ladrão-chefe. E ele está passando a perna em você.

Ficha Técnica

Título: Stupid White Men – Uma Nação de Idiotas
Autor: Michael Moore
Ano: 2001
Editora: Francis
Gênero: Ciência Política
Número de páginas: 285

Um Grande Garoto, livro de Nick Hornby

Eu acho que nunca havia lido um livro enquanto andava pelas ruas. Mas isso foi antes de conhecer este livro. Eu simplesmente não queria me separar de nenhum parágrafo dele, enquanto me apaixonava por Will e Marcus. Meu sentimento com este livro foi imediato, diferente de Alta Fidelidade, como comentei há alguns dias. Will é […]

Ler o post

Clube dos Corações Solitários, de André Takeda

“Se você rir, é porque valeu a pena. Se você sorrir, é porque é dos meus. E, como diz Jules Feiffer, maturidade é uma fase, adolescência é para sempre“. – André Takeda E assim começa, nas palavras do próprio autor, o “Clube dos Corações Solitários”, uma história envolvente e cheia de clichês. Mas antes que […]

Ler o post

Alta Fidelidade, livro de Nick Hornby

Eis meu primeiro contato com Nick Hornby, ex-professor e atual morador da zona norte de Londres. Alta Fidelidade (compre aqui) me exigiu mais envolvimento do que eu estava disposta a oferecer, porque demorei para me render às semelhanças nada nobres do personagem. Rob Fleming é um recente solteirão, largado pela ex-namorada Laura (e por todas […]

Ler o post

Tudo o que você pensa, pense ao contrário

Virei fã de Paul Arden, pela sua simplicidade e genialidade concentrada em poucas palavras. Pudera, ele é ex-diretor executivo de criação da agência Saatchi & Saatchi. Em “Tudo o que você pensa, pense ao contrário” ele desafia o leitor a encarar os acontecimentos de modo diferente. Ser pessimista é para os fracos, mas ele não […]

Ler o post

Percy Jackson e Os Olimpianos: O Ladrão de Raios

Desde que assisti ao filme “O Ladrão de Raios” no cinema, em fevereiro de 2010, criei uma resistência automática à série “Percy Jackson e Os Olimpianos”, tamanha foi a decepção com o filme. Erro meu julgar que o livro seria tão ruim quanto o filme, tendo em experiência que nunca é. O livro me surpreendeu, […]

Ler o post