Orgulho e Preconceito, por Jane Austen e Joe Wright

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Jane Austen. Você já deve ter ouvido o nome dessa escritora que nasceu em 1775, na Inglaterra.  Eu também já tinha ouvido falar, e normalmente a associava a dois conceitos: coisa de mulherzinha e clássicos da literatura. Foi apenas quando conheci de fato uma das suas obras (Razão e Sentimento) que a primeira associação desapareceu. A mulher foi porreta mesmo e há grandes razões para que seus livros sejam considerados clássicos, especialmente se considerarmos o segundo deles, Orgulho e Preconceito.

Jane Austen escreveu romances de época, retratando em especial a sociedade rural inglesa e o que acontecia no interior das suas residências. Falando dessa forma parece um tédio sem fim, eu sei. A grande graça, porém, era a forma como ela o fazia. O foco não estava nas paisagens ou descrições, mas nas grandes caracterizações que construía, assim como no sarcasmo e inteligência aguda com que percebia as pessoas e costumes da época – tudo isso escrito com simplicidade e fluidez. Mesmo que suas obras sejam lidas daqui a 300 anos elas serão compreendidas e, mais do que isso, haverá uma identificação inevitável com pelo menos um dos personagens. Os costumes podem mudar, a sociedade e cultura seguem sua evolução, mas as paixões humanas… continuam basicamente as mesmas.

Em Orgulho e Preconceito temos a história da família Bennet como foco central: cinco filhas em idade para casar e com pais de pouco “pedigree” e muitos erros na sua criação. A história é contada pela perspectiva da segunda filha mais velha, Elizabeth Bennet, e começa com a chegada de novos vizinhos aristocratas – o sr. Bingley, suas irmãs e seu amigo, o sr. Darcy. A partir daí começam os bailes, flertes, fofocas, julgamentos, amores, preconceitos, maquinações, tolices… Não é preciso ter vivido no final do século XVIII para passar pelo mesmo, não é? Basta pensar no seu último final de semana.

O grande mérito da Jane Austen é não ter transformado tudo isso em histórias de amor típicas, piegas ou melosas. Os personagens são incríveis, os diálogos são sagazes, as tramas bem costuradas. É uma leitura extremamente prazerosa, em especial para quem gosta de observar a natureza humana.

Talvez seja essa a principal diferença da adaptação dessa obra para o cinema, de 2005. A história foi modificada em certa medida – o que é natural, já que a linguagem e o tempo são diferentes nas telas –, mas a parte mais significativa foi a modificação do clima da história. Tudo ficou mais hollywoodiano e apelativo, com declarações de amor na chuva que não existem no livro, por exemplo. Não acredito que chegue a ser um demérito, mas soa estranho para quem teve contato com a versão escrita.

Para que o diretor tivesse sucesso era preciso conseguir duas coisas acima da média: atores (para demonstrar todas as sutilezas dos personagens) e locações (para demonstrar toda a opulência e contrastes). E conseguiu. Keira Knightley, Matthew Macfadyen, Donald Sutherland e Judi Dench estavam muito apropriados e convincentes em seus papéis, apenas não gostei muito da escolha do Tom Hollander para interpretar o sr. Collins. E as locações, como era de se esperar, eram belíssimas – vale a pena ver os extras do DVD para ter mais detalhes.

Sou meio suspeita para falar desse livro e desse filme, é difícil ser imparcial com os seus favoritos – e olha que eu acabei de terminar o livro. De qualquer forma, dê uma chance. Você pode não se apaixonar como eu me apaixonei, mas certamente não será tempo desperdiçado.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=Y6XneqkfD3c]

Ficha Técnica

Filme

Título: Orgulho e Preconceito (Pride & Prejudice)
Diretor: Joe Wright
Ano: 2005
Gênero: Romance
Duração: 127 minutos

Livro

Título: Orgulho e Preconceito (Pride & Prejudice)
Autora: Jane Austen
Editora: LP&M pocket
Ano: 2010
Páginas: 400

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

“A Febre Starbucks”, uma dose dupla de cafeína, comércio e cultura.

“Dependendo de suas convicções ideológicas – e, a bem da verdade, do quanto você é ou não um verdadeiro apreciador de café – a história a seguir pode ser vista como um relato de um atentado à decência ou da decisão mais genial que um sujeito chamado Howard Schultz tomou na vida.” Com estas palavras, […]

Ler o post

A fragilidade dos laços humanos em “Amor Líquido”

Amor Líquido, de Zygmunt Bauman é um discurso sociológico que te abre os olhos. Bauman fala sobre a fragilidade dos laços humanos, a insegurança que inspira desejos conflitantes, a vontade de apertar os laços e, ao mesmo tempo, mantê-los frouxos. A liquidez a que se refere, ao contrário dos termos bancários – que é potencializador […]

Ler o post

Mate-me Por Favor – Uma História Sem Censura do Punk

Lou Reed – Estou completamente sozinho. Ninguém para conversar. Dá uma chegada aqui, daí posso falar com você. Nas primeiras linhas de “Mate-me Por Favor – Uma História Sem Censura do Punk”, Legs McNeil e Gillian McCain mostram que o Punk Rock não é uma história única, e sim a coletânea de fatos narrados pelos […]

Ler o post

O Caçador de Pipas, livro de Khaled Hosseini

Amor e honra, culpa e medo, memória e redenção: certas decisões que tomamos permanecem em nossa memória anos a fio. Khaled Hosseini, escritor nascido em Cabul, conquistou o mundo com seu romance ambientado em um Afeganistão que vivia seus últimos dias de Monarquia. Amir e Hassan cresceram juntos, dividindo o mesmo leite, as mesmas brincadeiras […]

Ler o post

Stupid White Men: Uma Nação de Idiotas

“O 911 não funciona. O 411 não funciona. Os telefones celulares não funcionam e, quando funcionam, estão na mão de algum idiota na mesa ao lado que discute com seu corretor de ações enquanto tentamos comer nosso jantar. Liberdade de escolha é uma coisa do passado. Fomos reduzidos a seis empresas de comunicação, seis empresas […]

Ler o post

Um Grande Garoto, livro de Nick Hornby

Eu acho que nunca havia lido um livro enquanto andava pelas ruas. Mas isso foi antes de conhecer este livro. Eu simplesmente não queria me separar de nenhum parágrafo dele, enquanto me apaixonava por Will e Marcus. Meu sentimento com este livro foi imediato, diferente de Alta Fidelidade, como comentei há alguns dias. Will é […]

Ler o post