A Hora das Bruxas: as Bruxas Mayfair de Anne Rice

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest


COMPRE AGORA: A Hora das Bruxas I | A Hora das Bruxas II

A Hora das Bruxas é uma história densa, no melhor estilo gótico que somente Anne Rice, a aclamada autora de Entrevista com o Vampiro, poderia proporcionar. A sensualidade e a bravura da narrativa estão presentes em cada página virada. Anne Rice tem seu currículo mais do que livros de vampiros viciados em jugulares.

A Hora das Bruxas é uma história só, mas se divide em dois volumes e tem continuação. No  volume 1, somos apresentados à história das Bruxas Mayfair, que se inicia em 1660 quando Suzanne Mayfair invoca uma entidade meio divindade, meio demônio chamado Lasher.

Lasher é um ser que estava vagando por outro plano quando ouviu o chamado de Suzanne nas pedras de Donnelaith, Escócia, no ano de 1660. Ele acompanhou Suzanne fazendo o que lhe era solicitado, até a morte da bruxa, passando à servir a filha Deborah. Desde então, o espírito tornou-se uma espécie de herança e maldição para a linhagem durante séculos. Sua união com a família foi gravada em uma joia chamada “Esmeralda”, que acompanha a herdeira do legado. Afim de purificar a linhagem, Lasher estimula o incesto, misturando e aumentando os poderes das mulheres da família. Ele é sedutor, extremamente ciumento e manipulador até o último sopro de vida.

“Nós nos conheceremos nas trevas algum dia, Julien Mayfair. Nós nos conheceremos como fantasmas, quando estivermos assombrando os corredores de First Street. Eu preciso ser carne. As bruxas devem prosperar.” (Lasher)

Conhecemos então Rowan Mayfair, uma linda neurocirurgiã, com um poder telepático capaz de matar com sua raiva. A primeira morte aconteceu à uma garota que brigou com ela quando criança. A segunda a um homem que queria abusar dela. Ela não sabe, mas é a 13º da linhagem e atual herdeira do legado Mayfair, tão poderosa que pode transformar o espírito de Lasher em carne.

Rowan Mayfair foi criada por pais adotivos e desconhece o histórico de sua família. Quando eles morreram, Rowan dedicou-se integralmente à medicina. Gostava também de passear sozinha em seu barco e, em um de seus passeios, Rowan salvou um homem afogado, Michael Curry, por quem se apaixonou. Em Nova Orlens, Rowan teve um primeiro contato com Aaron Lightner, da Talamasca – uma organização que estuda fenômenos sobrenaturais e tem uma atenção especial pela família Mayfair. Aaron fornece o arquivo das Bruxas Mayfair com a história de todas as antepassadas de Rowan, e Lasher.

Em A Hora das Bruxas, Anne Rice narra a saga de uma família que em quatro séculos vive entre feitiçaria e forças ocultas. Entre os Mayfair, convive-se pacificamente com o incesto, os assassinatos e Lasher. As bruxas de Anne Rice não são estereotipadas: são mulheres fortes, donas de uma beleza incomparável e onde a bruxaria, para elas, é a ciência mais confiável. É uma história adulta, tanto pelas suas palavras quanto pela sua complexidade.

“Eu sou paciente. Vejo muito longe. Estarei bebendo o vinho, comendo a carne e conhecendo o calor da mulher quando de você não restarem nem os ossos” (Lasher).

A história tem continuação nos dois complementos à saga, Lasher e Taltos. Em breve falarei destes livros por aqui. Por hora, recomendo a leitura deste volume 1 e 2 para mergulhar no mundo das bruxas Mayfair.

Ficha Técnica

Título: As Bruxas Mayfair – A Hora das Bruxas I (The Witching Hour)
Autor: Anne Rice
Ano: 1990
Editora: Rocco
Gênero: Literatura Estrangeira, Terror
Número de Páginas: 490
Compre: A Hora das Bruxas I | A Hora das Bruxas II

Orgulho e Preconceito, por Jane Austen e Joe Wright

Jane Austen. Você já deve ter ouvido o nome dessa escritora que nasceu em 1775, na Inglaterra.  Eu também já tinha ouvido falar, e normalmente a associava a dois conceitos: coisa de mulherzinha e clássicos da literatura. Foi apenas quando conheci de fato uma das suas obras (Razão e Sentimento) que a primeira associação desapareceu. […]

Ler o post

“A Febre Starbucks”, uma dose dupla de cafeína, comércio e cultura.

“Dependendo de suas convicções ideológicas – e, a bem da verdade, do quanto você é ou não um verdadeiro apreciador de café – a história a seguir pode ser vista como um relato de um atentado à decência ou da decisão mais genial que um sujeito chamado Howard Schultz tomou na vida.” Com estas palavras, […]

Ler o post

A fragilidade dos laços humanos em “Amor Líquido”

Amor Líquido, de Zygmunt Bauman é um discurso sociológico que te abre os olhos. Bauman fala sobre a fragilidade dos laços humanos, a insegurança que inspira desejos conflitantes, a vontade de apertar os laços e, ao mesmo tempo, mantê-los frouxos. A liquidez a que se refere, ao contrário dos termos bancários – que é potencializador […]

Ler o post

Mate-me Por Favor – Uma História Sem Censura do Punk

Lou Reed – Estou completamente sozinho. Ninguém para conversar. Dá uma chegada aqui, daí posso falar com você. Nas primeiras linhas de “Mate-me Por Favor – Uma História Sem Censura do Punk”, Legs McNeil e Gillian McCain mostram que o Punk Rock não é uma história única, e sim a coletânea de fatos narrados pelos […]

Ler o post

O Caçador de Pipas, livro de Khaled Hosseini

Amor e honra, culpa e medo, memória e redenção: certas decisões que tomamos permanecem em nossa memória anos a fio. Khaled Hosseini, escritor nascido em Cabul, conquistou o mundo com seu romance ambientado em um Afeganistão que vivia seus últimos dias de Monarquia. Amir e Hassan cresceram juntos, dividindo o mesmo leite, as mesmas brincadeiras […]

Ler o post

Stupid White Men: Uma Nação de Idiotas

“O 911 não funciona. O 411 não funciona. Os telefones celulares não funcionam e, quando funcionam, estão na mão de algum idiota na mesa ao lado que discute com seu corretor de ações enquanto tentamos comer nosso jantar. Liberdade de escolha é uma coisa do passado. Fomos reduzidos a seis empresas de comunicação, seis empresas […]

Ler o post