Uma estrela chamada Esther Earl

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar

Bem, vocês de todas as pessoas sabem mais do que ninguém (exceto eu mesma) o que é ouvir que eu talvez viva por pouco tempo. É uma droga, cara. Mas é a verdade, e a verdade é horrível. (…) Sei que, sem vocês, eu não me sentiria tão bem. E mesmo nas minhas dificuldades vocês ficam comigo o tempo todo. Só quero que saibam que não são apenas meus “pais”, mas meus pilares de sustentação.

Você conhece ela. Bom, se você já leu A Culpa é das Estrelas, vai lembrar da garota a quem John Green dedica seu livro. Esther Grace Earl.

Esther nasceu em 1994 e, aos doze anos, foi diagnosticada com câncer da tireoide. Sua vida, suas palavras e sua batalha contra a doença foram reunidas no livro A estrela que nunca vai se apagar (adicione ao Skoob), uma biografia bem diferente que reúne trechos de diários da garota, conversas do skype com seus amigos, histórias escritas por Esther, transcrições de seus vídeos do youtube, cartas de amigos, depoimentos de médicos e tudo o mais.

livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar

Ah, Deus, não abraço ninguém há muito tempo. Estou triste. E com um pouco de raiva. Do que, não sei.

Filha de um pastor e uma educadora, Esther ganhou esse nome (que significa “estrela”) em homenagem a uma corajosa rainha judia que arriscou sua vida para salvar seu povo. Ela era uma adolescente alegre e marcou todos ao seu redor com sua generosidade, esperança e altruísmo enquanto enfrentava o desgaste físico e mental causado pelo câncer.

Daí você me pergunta se Esther, assim como Hazel Grace, encontrou um amor enquanto lutava contra a doença, mas preciso lhe dizer: não. Fora algumas semelhanças, como o fato da garota nomear seus aparelhos médicos, nunca ter beijado um garoto e de compartilhar o mesmo sobrenome, Hazel e Esther são pessoas diferentes, mas que lidaram com o mesmo monstro.

livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar
livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar

Mãe, sei que sou só uma criança, mas posso dizer que passar pelo câncer me ajudou a crescer. Às vezes, quando penso em por que tinha que ser eu, recebo algumas “respostas” (…) um dia percebi que sem Deus nada importa. Por isso, pedi que Ele entrasse no meu coração.

A medida que a doença ia avançando e debilitando Esther, ela passava um bom tempo na internet, onde fez vários amigos, alguns muito especiais, e conseguiu deixar sua marca no mundo (Esther, assim como Gus, queria fazer algo que fizesse os outros lembrarem dela).

O livro tem uma diagramação lindinha, com um esquema de cores que representam os narradores, além de várias fotos da garota com seus amigos, páginas escaneadas de seu diário, seus desenhos, etc. Uma estrutura que torna a história mais leve – não menos cruel, apenas mais leve e delicada, assim como Esther era.

livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar

O câncer infantil é uma droga, e sei que há muitas causas impressionantes que ajudam, mas passar por isso meio que muda a forma como vejo as coisas e é só que, não sei, não é como se eu fosse realmente encontrar uma cura, porque não tenho como, mas gostaria de ajudar as pessoas que têm que passar por isso a se sentirem melhor.

Gostei de conhecer mais sobre a moça, e destaco algumas partes que me emocionaram demais: todas as cartas de Esther para seus pais são de partir o coração. Ela os via estressados e achava que a culpa era sua, já que estava doente. E, bom, oviamente, o capítulo em que seu pai narra como foram as últimas horas de Esther, que faleceu aos 16 anos, em agosto de 2010 (aliás, saber disso enquanto você lê o diário dela em ordem cronológica é doloroso).

livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar

25 de agosto de 2010, 4h04
Para todos os que amam Esther,
Nossa amada Esther Grace agora pertence aos céus. Estávamos todos juntos quando ela nos deixou, às três da manhã de hoje. (…)

Bom, o youtube e twitter da Esther ainda estão no ar, e você pode conferir os vídeos que ela gravava. O último deles foi gravado alguns dias antes de ela morrer e, é um pouco arrepiante na verdade, ela encerra o vídeo dizendo que ama todo mundo e deixa um beijo pra câmera. Você pode ler e ver mais sobre Esther Earl e Lori e Wayne Earl nos links abaixo:
Canal do youtube da Esther, ainda no ar
Twitter da Esther Earl
Flickr da Esther Earl
Caring Bridge da Esther
Blog do Wayne Earl (pai de Esther)
Fundação This Star Won’t Go Out
Vídeo de John Green sobre o falecimento de Esther Earl

livro esther earl, livro da hazel grace, pipoca musical, a estrela que nunca ira se apagar

A morte não é a palavra final, mas a “grande aventura seguinte”, como Dumbledore disse tão bem.

Quando li Passarinha, da Kathryn Erskine, a personagem principal, Caitlin, buscava um “desfecho” para encerrar a dor e sofrimento que ela e seu pai vinham tendo após a morte do irmão, Devon. Acho – e quero acreditar nisso – que a construção desse livro é o desfecho da família Earl. Em novelas, livros, filmes, sempre que um personagem luta bravamente contra uma doença, serve de exemplo e inspiração para outros que passam pela mesma situação. Imagino que “A estrela que nunca vai se apagar” se encaixe nesse caso.

Espero que tenham gostado da resenha. Confira o book trailer da edição original de A estrela que nunca vai se apagar. Particularmente, quase chorei quando Esther diz: “eu tenho 16 anos, e continuo lutando”. Ficha Técnica

Título: A estrela que nunca vai se apagar
Autor: Esther Earl, Wayne Earl, Lori Earl
Ano: 2014
Editora: Intrínseca
Gênero: Biografia
Páginas: 448
Compre: Submarino | Americanas
Skoob: adicione à sua estante

Comentar resposta para Isabela Cancelar

Comentários

Comentários do Facebook

30 comentários via blog

  1. Mariana comentou em

    Só acho que esse livro me emocionaria. É complicado ler algo sobre alguém que eu sei que morre.

    1. Ele me emocionou sim, mas fiquei com um gosto amargo na boca. Não sei se eu iria expor a vida da minha filha assim, hehe. Bjs!

  2. Diego comentou em

    Quel :'(

    Esse livro parece ser daqueles que você derrama uma lágrima por página, justamente sabendo que o fim é tão óbvio e que você vai chegar lá. Chega a ser cruel demais pensar assim. Pra todo mundo é tão difícil encarar o fim da vida :// Esther ~pelo que vi na tua resenha~ não desistiu de viver nem um minuto se quer, e isso que nos deixa com orgulho dessa menina, por ter enfrentado uma doença tão horrível de forma delicada :)

    Tua resenha ficou com tudo que precisava para sabermos quem foi Esther, gostei! E me deu mais vontade de ter o livro :P

    Um beeeeeeeeijo, Di <3

    1. Oi Dih,

      Conversamos bastante sobre o livro, né. Não mudei de opinião, mas tentei ver a biografia como algo real: todas elas falam sobre detalhes da vida das pessoas, fotos de túmulos e tal. Então penso que o dinheiro das vendas possa ajudar famílias que passam por isso. É nobre, pelo menos.

      E sim, tem trechos que apertam o coração.

  3. Isabela comentou em

    Nossa, parece um livro encantador! Confesso que senti vontade de ler, mas não estou numa fase boa para livros tão sensíveis. Vou anotar para um momento futuro!!!

    Tudo lindo por aqui…

    Bjs

  4. Leandro comentou em

    Bacana conhecer a história por trás da ‘Culpa das Estrelas’. Agrega mais significado ao romance.
    Abs :)

    1. É, foi legal principalmente por mostrar a batalha dela e o carisma. Bjs :)

  5. Adriana Wolf Bastos comentou em

    Nossa….quase chorei lendo a sua resenha…é muito emocionante!
    Li A Culpa é das Estrelas e não tem como não se emocionar.
    Ainda mais sabendo que se trara de uma história real…uma família real passando por esse sofrimento e mesmo assim tendo forças pra lutar até o final.
    Bjss

    1. É verdade, Adri. O fato de ser real faz a gente se sentir mais incomodado ainda. Vale a leitura, espero que goste. :))

  6. Ai ai. Eu realmente não estou preparada psicologicamente para ler este livro.
    Chorei na resenha, no vídeo, affff. Momento manteiga derretida.
    Não sei se vou ler. Não é que eu não goste, de jeito nenhum, sei que é maravilhoso, lindo, emocionante, sei que o trabalho da editora é impecável, mas agora não dá.
    As fotos ficaram lindas!!! Adorei esse taco, rsrs. (quem tá reformando casa olha isso).
    Adorei tudo e me emocionei.

    Bjkas

    1. Oi Ale,

      Eu dei risada na parte do taco, hehehe. Mas então, eu li o livro meio friamente (ainda acho meio mórbido expor tanta coisa da garota, mas isso é problema da família, hehehe), só que essas duas partes que citei realmente me pegaram. E pra fechar com chave de ouro, o vídeo que coloquei na resenha + o último vídeo gravado por ela ajudaram a me desmontar, hahaha. Triste :~

      Beijo, querida :)

  7. Nossa, é de se emocionar… ainda não li nenhum dos dois,mas já estão na minha lista, e se já me emocionei com o que li no seu resumo, sei que irei chorar muito,porque tenho dois filhos e vou vê-los nela com certeza..
    Bjs..

    1. Aaah, Simeia, é verdade, esqueci de dizer que esse livro, pra quem tem filho ou perdeu algum parente pra uma doença, vai ser duplamente mais choroso :/ Mas é uma história que vale a pena ser conhecida. Beijo!

  8. Juliana comentou em

    Ai Raquel… terminei de ler a resenha e fui assistir o vídeo, aiai. </3
    Cara, eu não posso ler esse livro! Vou chorar até…!
    Já li e assisti alguns resenhas sobre esse livro e sempre me emociono com a história só de imaginar… Acho fantástico o livro ser tão completinho assim, com cartas, depoimentos, páginas de diário, a fala do pai no enterro e essas coisas.
    Sua resenha como sempre, MEGA completa! Adoro *-*

    Beijão.
    Ju
    http://www.nuvemliteraria.com

    1. Oi bonitona, como vai? :)

      Pois é, Ju, o livro dá uma abalada, mas acho que o que mais me pegou ainda foi o vídeo que coloquei ali no final.

      Já perdi um parente pro câncer e é uma dor irreparável, não imagino como um pai lida com isso. Quando li O Senhor dos Anéis, uma frase me marcou muito, acho que no segundo livro: “Um pai não deveria ter que enterrar seu filho”. Não é o ciclo natural :(

      Beijo pra tu ;***

  9. Liliana comentou em

    Amiga, quando vi os primeiros posts sobre esse livro, não me toquei da relação entre ele e o A culpa é das estrelas (amo!). Adorei a resenha e tenho certeza de que vou adorar o livro. Sou mãe e concordo com aquela frase de que um pai nunca deve enterrar seu filho, não é o ciclo natural. A dor é inimaginável. Mesmo assim, estou curiosa pra ler. Acho que é uma maneira de prestar uma homenagem, conhecer a história dela. Beijo!!!!!

    1. Oi Liliana,

      Você, sendo mãe, vai se emocionar muito com a história. E também concordo com essa frase, aliás, eu li isso pela primeira vez em O Senhor dos Anéis, e me chocou bastante, mas é muito verdade. Não é o ciclo, e ela era tão jovem. :/ Mas viveu alegre e otimista enquanto pôde. :)

      Beijo, querida! ♥

  10. Eu quase choro só de ler as resenhas, imagine lendo. Vou comprar para me presentear na páscoa (já que não posso comer chocolate por causa da lindinha intolerância a lactose). Acredito que será um ótimo presente.

    Adorei os trechos. Adorei a resenha, Dona Pipoca! :*

    http://www.pausaparaumcafe.com.br

    1. Eu sou super a favor de dar livros na páscoa, viu, não importa o nível da intolerância a lactose, hahaha. É um livro bonitão, assim, espero que você goste. Beeeijo, Dona… Anna! ♥ (tenho que arranjar um apelido pra ti, aheuahe)

  11. Nossa, lendo a sua resenha fui tendo um peso no coração…
    Essa menina é encantadora, uma pena ter falecido tão cedo.
    Eu encontrei o Flickr dela há um tempo atrás, o link é esse: http://www.flickr.com/photos/estherearl/
    Espero mesmo que esse livro venha ser o desfecho para família dela!
    Nem sei se vou ler esse livro porque chorei horrores quando procurei sobre a história dela quando terminei Culpa é das Estrelas.
    Anyway, eu amei sua resenha.
    Quando eu crescer quero resenhar igual a você! haha :D
    Beijoca!

    1. Oi Dani!

      Pois é, se você ficou assim de ler a resenha, imagina eu em escrevê-la. Tem uma parte que ela menciona o Flickr, mas nem fui atrás. Agora que você passou o link, adicionei na resenha também (obrigada! ♥).

      Penso que o livro possa ser uma forma da família dela homenagear a filha e, claro, ajudar outras pessoas a passarem por isso. Mesmo que o final seja triste, a Esther viveu alegremente.

      Obrigada pelo elogio sua fofa ♥♥♥ Eu quero fotografar como você, que tal? Sempre me dá um sorrisão ler essas coisas :}

      Beijoca ♥

  12. Ayanna comentou em

    De uma coisa tenho a plena certeza: esse livro vai me arrancar muuuitas lágrimas quando eu ler. Sua resenha ficou incrível (quase chorei lendo-a!), como sempre, e me deixou com uma vontade ainda maior de conhecer a história de Esther. Preciso urgentemente!
    Beijos,
    Ayanna
    http://leitorespossessivos.blogspot.com.br/

    1. Ayanna, sua querida! Fico feliz em saber que consegui te emocionar, veja só. :D Com certeza você vai ficar ~abalada~ com a leitura, sabe. Faz parte do processo, ehehehe.

      Beijoca <3

  13. Anninha comentou em

    Eu amei sua resenha e estou doida pra ler o livro!

      1. Anninha comentou em

        Ah com certeza! Eu quero ler primeiro A culpa é das estrelas e depois A estrela que nunca vai se apagar <3 mas eles são tão lindos que quero pra mim rs não vou alugar precisoooo comprar

  14. Esse é o tipo de livro que eu leio apenas uma vez. Por ser triste, muito triste. Um livro muito parecido é “1 litro de lágrimas” onde o litor realmente chora muito. A personagem tem um tipo de cancer e é aquele livro que voce sabe que ela vai morrer e isso é muito triste.

    1. Eita, Fe, parece pesado mesmo. Tem livros que fazem isso com a gente :( Eu passei o meu pra frente, pra ter uma ideia, hehehe. Bjs!