5 curiosidades dos bastidores de Twin Peaks + entrevista com Brad Dukes

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Uma das minhas leituras de março foi Twin Peaks: Arquivos e Memórias, lançado pela DarkSide Books, sobre uma das séries mais icônicas dos anos 90. O livro, escrito pelo americano Brad Dukes, me chamou muito a atenção por relatar diversas curiosidades e os bastidores dessa série que ganhou meu coração. Separei cinco curiosidades sobre Twin Peaks que descobri lendo esse livro para compartilhar com vocês.


COMPRE O LIVROCAMISETA PRINTERAMAPAPEL DE PAREDE CHEVRON

UMA PALAVRINHA COM BRAD DUKES

Produzida por David Lynch e Mark Frost, a série foi um sucesso nas telas por trazer à tona o assassinato de Laura Palmer e os mistérios (que não são poucos) da pequena cidade de Twin Peaks, nos Estados Unidos. Tem uma série de coisas que eu amo em Twin Peaks, e o livro só potencializou isso. Então resolvi enviar algumas perguntas para o autor que, muito simpático, respondeu de maneira bem solta e descontraída.

BRAD DUKES, autor de Twin Peaks - Arquivos e Memórias
Foto: Jessica Dukes

Na sua introdução você menciona como foi o seu primeiro contato com Twin Peaks, mas como surgiu a ideia – e oportunidade – de escrever um livro sobre a série? Como você se preparou para isso?
R. Twin Peaks nunca saiu da minha cabeça desde 1990. Mesmo que sem saber, estive me preparando para o livro durante um ano porque estive trabalhando em um blog sobre ela onde eu iria documentar diferentes aspectos da série através de entrevistas, locais de gravação ou ensaios.

O que você pode tirar de bom – e de ruim – da experiência em ter escrito esse livro? Você faria algo de uma maneira diferente?
R. Durante os três anos, escrevendo esse livro, eu realmente nunca tive uma experiência ruim. Às vezes era frustrante trabalhar com os agentes ou editores, mas no final eu acho que acabou saindo da maneira que deveria ter sido. Devo dizer que não tenho nenhum arrependimento e não mudaria nada. Realmente não posso dizer a mesma coisa de outros trabalhos que fiz na minha vida.

Existe algum personagem com quem você se identifique mais?
R. Provavelmente, me identifico mais com o Xerife Truman. Ele é do tipo cético, come donuts, bebe café e pode ser durão quando quiser.

Como fã, não consigo imaginar qual seria a minha reação em conhecer todos aqueles atores e atrizes. Como você reagiu?
R. A maioria da entrevistas foram feitas pelo telefone, e da mesma forma que estava ansioso, eu sentia que tinha um trabalho importante a fazer. Eu tinha que ter a certeza de que toda entrevista seria um sucesso, e se não fossem, seria minha responsabilidade e o livro poderia ser impactado com isso. Depois de um tempo acabei me tornando amigos de algumas pessoas do elenco e equipe, e foi quando me senti mais à vontade em fazer algumas perguntas mais malucas e ser engraçado.

O livro é perfeito para aqueles que querem saber mais e mais sobre essa incrível séries, mas tenho certeza de que você teve certa dificuldade em selecionar todas aquelas entrevistas para a gente. Existe alguma favorita que você gostaria de ter incluído no livro mas não pode por ser extensa demais?
R. O processo de edição foi muito trabalhoso e eu me esforcei muito para ter certeza de que todas aquelas vozes estivessem em equilíbrio, criando planilhas e fazendo toneladas de rascunhos. Como o livro não fala sobre o filme, tive de deixar as histórias sobre Fire Walk With Me de lado. Tem um momento muito legal contato pelo talentoso – e falecido – Miguel Ferrer:

David [Lynch] é único. [Risos] David é muito mais fã do que ele é um artista. Digo, ele aborda as coisas de uma maneira muito infantil em alguns aspectos. Lembro que quando estávamos gravando o filme, tinha uma cena com Kyle MacLachlan, acho que David estava também, assim como eu e David Bowie. David estava pronto para rodar a cena e ele veio até a mim. Ele sempre me chamava de Albert, nunca de Miguel. Ele disse (em voz baixa): “Ei, Albert”. Eu digo, “Ei, Dave”. Ele diz “Aquele é o David Bowie”. Eu digo, “Sim, eu sei”. David diz, “Bem legal, hein?”, e dá uma risada. Então começa a rodar e nós gravamos a cena. Mas, você sabe, esse é o David. Ele estava incrivelmente fascinado pelo fato de David Bowie estar lá e esse é o tipo de coisa que eu amo nele.

Tem outro livro de bastidores publicado pela DarkSide Books que eu gosto – sobre Sexta-Feira 13 – e eu percebi que algumas pessoas que trabalharam com o filme não gostaram muito. Por alguma razão, eles têm algum tipo de arrependimento. E quanto a Twin Peaks? As pessoas com quem você conversou ainda são apaixonadas pelo show ou tem algum tipo de… não sei, algum arrependimento ou lembrança ruim?
R. Quando eu entrevistei todo mundo, foi antes do anúncio sobre a terceira temporada. Twin Peaks era mesmo um assunto morto e todo mundo com quem conversei lembrava disso com orgulho e um tipo de maravilhamento. Pelo menos com quem eu conversei, não havia nenhum tipo de mágoa. Talvez tivesse apenas um tipo de arrependimento quanto à segunda temporada e acho que todo mundo gostaria que ela tivesse funcionado melhor, mas acho que tudo aconteceu da maneira que deveria. Se eles tivessem mexido algo, quem sabe se uma terceira temporada estaria acontecendo agora?

David Lynch não pôde participar do livro, infelizmente. Você sabe dizer se ele leu?
R. Eu tive algumas conversas com o assistente dele enquanto trabalhava no livro e em algum ponto nós iríamos ter uma conversa. Depois que o livro foi publicado ela indicou que ele gostaria de ter uma cópia, então aquilo foi engraçado e um tanto estranho. Autografar um livro e enviar para ele. Mas não tenho certeza de que ele tenha lido.

Eu vi no seu instagram que você já tem em mãos a edição brasileira, feita – mesmo – por grandes fãs de Twin Peaks. Como você sente em ter o seu livro publicado no Brasil?
R. Estou muito ansioso e emocionado em ter o livro publicado em Português. É um sonho sendo realizado. A DarkSide Books fez um lindo trabalho e, realmente, é uma grande honra. Espero que todo mundo goste.

Quais são as suas expectativas quanto à terceira temporada?
R. Estou esperando muitas surpresas! A única coisinha que sei sobre o que está por vir é de que será REALMENTE incrível.

JOGO RÁPIDO!

3 bandas favoritas:
– Rey Pila
– Kendrick Lamar
– Blonde Tongues

3 filmes favoritos:
– Pulp Fiction
– Curtindo a Vida Adoidado
– Os Aventureiros do Bairro Perdido

3 livros favoritos:
– Harry Potter
– As Crônicas de Gelo e Fogo
– Sherlock Holmes (gosto de todos!)

3 séries favoritas:
– Breaking Bad
– Blood Line
– The Affair e… Twin Peaks (claro, hehe)

CAMISETAS NO PRINTERAMA - Camiseta Twin Peaks de qualidade
CONHEÇA O AUTOR
WebsiteTwitterInstagram

a Rafflecopter giveaway

a Rafflecopter giveaway

Curtiu esse post? Compartilhe com seus amigos :)

Cris Peter e Quimera no Social Comics [entrevista]

Entrevistei a Cris Peter, roteirista e colorista do novo quadrinho publicado no Social Comics. Ao lado de Ariane Rauber e Dika Araújo, ela publica Quimera pelo selo Pagu Comics e contribui para que mais obras feitas mulheres incríveis se firmem no mercado nacional. LINKS ÚTEIS: LEIA QUIMERA ONLINE – CONHEÇA O SOCIAL COMICS QUIMERA NO […]

Ler o post

Era da Ferrugem: origem, possibilidades criativas e música

Era da Ferrugem foi uma das primeiras web comics que li e fui imediatamente fisgada pela narrativa criada pelo Samuel Fonseca, por conta das músicas e, principalmente, da arte – uma página mais bonita do que a outra. LEIA A WEBCOMIC AGORA | APOIA.SE/ERADAFERRUGEM Gostei um bocado de tudo que vi e, por conta dos […]

Ler o post

Entrevista com Mary E. Pearson, autora de The Kiss of Deception

Oi pessoal! :) A DarkSide® Books promoveu uma entrevista com a Mary E. Pearson, autora de The Kiss of Deception, junto a alguns blogs parceiros que enviaram suas perguntas para a escritora que está deixando muitos leitores apaixonados no Brasil. Abaixo você confere a entrevista na íntegra. Se quiser conhecer o primeiro volume das Crônicas […]

Ler o post

Entrevista: Pipoca Musical entrevista Cherry Kiss

O Pipoca Musical entrevistou a banda Cherry Kiss, formada apenas por garotas, tocando clássicos do hard rock e mostrando que rock também é coisa de mulherzinha! A banda é formada por Jessica Sinner (vocal), Franciele Mueller (guitarra solo), Gleica Reinert (guitarra base), Thiara Steinert (baixo) e Sabrina Varela (bateria) e toca um rock firme e […]

Ler o post