Luzes da Ribalta (1952), filme de Charlie Chaplin

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

luzes-ribalta-chaplin-elenco

Dando sequência a série de posts especiais para o aniversário de Charlie Chaplin no mês de abril (semana passada falamos de Luzes da Cidade), hoje vamos falar sobre um dos últimos filmes de Chaplin, Luzes da Ribalta, de 1952.

Luzes da Ribalta conta a história de Calvero (Chaplin), um comediante famoso que perdeu a capacidade de cativar sua audiência (um pouco do reflexo do que Chaplin vinha passando nos EUA) e já estava se entregando ao alcoolismo quando conheceu Terry (Claire Boom), uma jovem dançarina que tentou se matar.

Quando ela recobra a consciência, Calvero descobre que a jovem sempre sonhou em ser bailarina, mas uma paralisia nas pernas a impediu de realizar o sonho. Determinado a ajudá-la, Calvero descobre a força que não imaginava que ainda tinha e começa a se reerguer.

Charles Chaplin e Claire Bloom em Luzes da Ribalta

– Meu lar é o teatro.
– Pensei que você odiasse o teatro.
– Eu também odeio ver sangue, mas está nas minhas veias.

Inicialmente, Luzes da Ribalta tinha mais de 700 páginas. Chaplin tinha em mãos um verdadeiro romance, com a biografia de todos os personagens, infância e vida familiar. Depois, retomou o original e reduziu a peça consideravelmente, para poder rodá-lo em poucos dias.

O filme ganhou o Oscar de Melhor Canção Original 20 anos após o lançamento oficial. O filme não estreou nos EUA em 1952, então ficou fora da disputa. Em 1973, o filme foi lançado no país e pode concorrer na categoria ao lado de O Poderoso Chefão (que levou o prêmio de Melhor Filme naquele ano), Trama Diabólica e outros.

Charlie Chaplin e Claire Bloom em Limelight

O nome original do filme, Limelight, significa luz de cal. No século XX, a eletricidade era pouco usada e utilizavam-se no teatro lâmpadas Drummond, projetores que tinham pastilhas de cal que eram acesas e direcionadas às vedetas (atrizes que se destacavam nas apresentações de teatro). Limelight virou então uma gíria do teatro em 1900, no sentido de uma grande publicidade.

Os EUA contra Charlie Chaplin

Chaplin fez Luzes da Ribalta em seu período mais conturbado. No livro Chaplin por ele mesmo, publicado pela Martin Claret, o autor conta que no final dos anos 40, Chaplin sofreu com os ataques da imprensa e do governo, além dos escândalos pessoais. Ele não podia contar com o apoio dos EUA para abraçar o sucesso de Luzes da Ribalta, então decidiu partir para a Europa, mas naquele verão, Chaplin precisou ficar e responder ao fisco e às autoridades da imigração.

Quando deixou tudo em ordem, Chaplin saiu de Bervely Hills com sua família. Passou alguns dias em Nova York e fez uma exibição particular deste filme, que o público o aplaudiu de pé. No entanto, nenhum cinema de Nova York quis a película. O diretor seguiu seu caminho para fazer a première de Luzes da Ribalta em Londres, enquanto um inquérito contra sua pessoa era aberto, devido a “ações antiamericanas” (algo envolvendo telegramas a Picasso, onde debatia suas opiniões sobre a expulsão de um compositor amigo).

Só deixarei de fazer filmes quando cair morto. Não creio na técnica, no passeio da câmara em volta das narinas e das orelhas das vendetas. Creio na mímica. Creio no estilo. Alguns me dizem passado de moda, outros me dizem moderno. A quem dar fé? Receio pelo nosso futuro. O nosso mundo já não é o mundo dos grandes artistas. É um mundo espumante, agitado, amargo, um mundo invadido.

A Inglaterra recebeu Chaplin de braços abertos, com uma multidão. Depois de tantos anos, os ingleses demonstravam o mesmo entusiasmo por ele como em 1921. Durante muitos dias, a imprensa inglesa tomou partido por Chaplin e publicava mensagens contra o responsável pela abertura do inquérito que, “para agir esperava que a sua vítima estivesse de costas”. Outro jornal ainda fazia uma homenagem, publicando a silhueta clássica de Carlitos, que “acabara de ser expulso de um luxuoso palacete particular, por um mordomo feroz com a cara do Tio Sam.”

Chaplin teve seu visto anulado para voltar aos EUA, então foi morar na Suíça com a sua família. Durante seu afastamento, ele fez dois filmes, e voltou para a América do Norte apenas 20 anos depois, para receber o prêmio da Academia. Chaplin morou na Suíca até o dia de sua morte, no Natal de 1977.

Fundação Cultural de Blumenau exibirá filmes de Chaplin em Abril

Como falei no post sobre Luzes da Cidade, a Fundação Cultural de Blumenau irá exibir cinco filmes de Chaplin no mês de Abril, retomando as exibições do CineArte. Na segunda-feira passada (1), assistimos Luzes da Cidade no escurinho do cinema, e ainda estão previstos na programação os filmes Luzes da Ribalta (1952), Em Busca do Ouro (1925), O Grande Ditador (1940) e O Garoto (1921) durante o mês. A programação completa você pode ver no site da Prefeitura de Blumenau.

AGENDA: 1, 8, 15, 22, 29 às 19h30
LOCAL: Cine Teatro Edith Gaertner (Rua XV de Novembro, 161, Centro)
VALOR: Gratuito

E então? Vamos lá? :)

Ficha Técnica

Título: Luzes da Ribalta (Limelight)
Diretor: Charlie Chaplin
Ano: 1952
Gênero: Drama
Duração: 137 minutos

Post escrito por: Raquel Moritz.

Luzes da Cidade (1931), filme de Charlie Chaplin

Há algum tempo atrás, o Pipoca Musical falou um pouco sobre o gênio do cinema mudo e sua sensibilidade para contar histórias que marcaram época e são lembradas com muito carinho até hoje. No mês de abril, mais precisamente no dia 16, Chaplin faz aniversário. Em comemoração à data, a Fundação Cultural de Blumenau exibirá, […]

Ler o post

As Aventuras de Pi e o tigre mais realista da história do cinema

Pi Patel (Suraj Sharma) é filho do dono de um zoológico na Índia, mas quando a prefeitura local retira os incentivos que ajudavam a manter os animais, a família decide vender o empreendimento e se mudar para o Canadá. Na noite da mudança, Pi e sua família embarcam em um cargueiro, mas uma tempestade terrível […]

Ler o post

Falemos sobre Hitchcock, o filme (e o diretor, e a esposa dele, e a filmografia, e…)

A todo momento vemos ou ouvimos alguém ser chamado de gênio, seja na música, no cinema ou em qualquer outra arte. Poucas vezes, porém, isso se prova realidade – veja o caso dos Strokes, por exemplo: de salvação do rock ‘n’ roll há pouco mais de 10 anos a motivo de riso e equiparação ao […]

Ler o post

A Fera é mais uma aposta nos contos de fadas modernos

A Fera faz parte daquela leva de filmes que modernizaram os contos de fadas. Neste filme dirigido por Daniel Barnz, conhecemos Kyle (Alex Pettyfer), um cara bem sucedido, arrogante e cobiçado pelas mulheres, que acha que aparência é tudo, sempre. Tudo vai bem até que um dia ele humilha Kendra (Mary-Kate Olsen), uma garota da […]

Ler o post

A experiência de assistir Monstros SA nos cinemas 12 anos depois

Monstros SA é uma história divertida de Mike e Sulley, dois monstros que ganham a vida assustando crianças para coletar energia para a sua cidade. Em mais um belo dia de trabalho, uma das crianças acaba saindo do seu quarto e entrando em Monstrópolis. Para evitar um pânico maior na cidade, os dois assumem a tarefa de levar a menina de volta pra casa.

Ler o post

Medianeras – Buenos Aires na Era do Amor Virtual

Toda geração que passou até hoje por este planeta enfrentou uma série de angústias exclusivas, fossem guerras, fome ou crises existenciais. Felizmente, o cinema nunca ignorou esse fato e criou filmes melancólicos e ao mesmo tempo lindíssimos em torno dessa temática (até falei de um desses espécimes um tempo atrás: Educação, de roteiro do grande Nick Hornby). […]

Ler o post

Filme Caça aos Gângsteres mostra a máfia de Los Angeles

Na Los Angeles de 1949, ainda com os ares de pós-guerra, o ex-boxeador nascido no Brooklyn atual rei do crime Mickey Cohen (Sean Penn) controla parte dos lucros da cidade com drogas, armas e prostitutas. Mickey (que foi um homem de verdade) é um homem frio, calculista e temperamental, que gosta de tudo executado à […]

Ler o post