Referências e rock n’ roll em “As Viagens de Gulliver”

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Jack Black não é um ator muito maleável. Ele tem um perfil e segue com ele aonde for. As Viagens de Gulliver é um exemplo de como a releitura de um clássico pode virar um show de referências cults regadas com muito rock n’ roll. E morrer na praia com isso.

Jack Black é Lemuel Gulliver, um cara que trabalha há anos entregando correspondência na redação de um jornal, e nutre um amor platônico pela editora de turismo Darcy (Amanda Peet). Sua vida pacata e sem novidades começa a cansá-lo e então ele inventa uma tremenda mentira para Darcy e consegue a vaga de redator de turismo. Seu primeiro trabalho é ir para Bermuda, mas uma tempestade faz com que ele acorde na ilha de Liliput, onde os moradores são muito, muito pequenos.

Gulliver conhece Horatio (Jason Segel), um camponês preso por cortejar a princesa Mary (Emily Blunt) e tenta ajudá-lo a conquistar a moça, prometida ao General Edward (Chris O’Dowd). O gigante ganha a confiança da população após salvar o Rei Theodore (Billy Connolly) de um incêndio. Em um mundo de princesas indefesas, príncipes gananciosos, reis tolos e piratas malvados, Gulliver é um gigante que pinta de herói. Ele conta como descobriu que Darth Vader era seu pai e como separou-se de sua amada no naufrágio do Titanic, mas as risadas ficam apenas nestas cenas.

As Viagens de Gulliver é muito fraco em roteiro. A verdadeira história de Gulliver, aquela escrita por Jonathan Swift no século 18, fazia uma crítica à Inglaterra daqueles dias. Esta película não chega nem na sombra do que foi o livro. Os efeitos são os mais baratos possíveis, as atuações extremamente forçadas (até mesmo a queridinha Emily Blunt, de O Diabo Veste Prada, ficou pra trás) e as piadas sem graça. A trilha sonora, obviamente, conta com Kiss e AC/DC, mas também não vai pra frente. Nem mesmo as referências aos filmes cults salvam a película. As Viagens de Gulliver tem seu charme apenas no trailer, que você vê abaixo:

Ficha Técnica

Título: As Viagens de Gulliver (Gulliver’s Travels)
Diretor: Rob Letterman
Ano: 2010
Gênero: Comédia
Duração: 85 minutos

Correção de comportamento em “A Ilha: Prisão Sem Grades”

Algumas pessoas lidam com pressão melhor do que as outras. Alguns pais não entendem seus filhos. Alguns filhos não entendem a sociedade em que vivem. A sociedade pressiona. E assim por diante em um ciclo vicioso que culmina em uma questão importante: a estrutura familiar e o que a falta dela pode fazer. A Ilha: […]

Ler o post

“A Febre Starbucks”, uma dose dupla de cafeína, comércio e cultura.

“Dependendo de suas convicções ideológicas – e, a bem da verdade, do quanto você é ou não um verdadeiro apreciador de café – a história a seguir pode ser vista como um relato de um atentado à decência ou da decisão mais genial que um sujeito chamado Howard Schultz tomou na vida.” Com estas palavras, […]

Ler o post

Dean & Jerry: You got a friend in me…

Dino Paul Crocetti, filho de italianos, nasceu em 1917 nos Estados Unidos. Largou os estudos quando terminou a décima série (algo como a 8a série no Brasil) pois achava que era mais esperto que seus professores. Trabalhou de entregador de garrafas, croupier de blackjack e foi até boxeador aos 15 anos, conhecido como Kid Crochet. […]

Ler o post

O Shaaman de Andre Matos e minha paixão eterna

O Shaaman é, de longe, uma das bandas que eu mais respeito. A formação original, com Andre Matos, Ricardo Confessori e os irmãos Hugo e Luis Mariutti embalaram minha adolescência com seus riffs pesados e vocais melódicos. A poesia das composições aliadas aos solinhos de piano ainda me encanta a ponto de me emocionar. O […]

Ler o post

“Rope”, a ponta do iceberg chamado Foo Fighters

56 anos depois do Dr. Emmett “Doc” Brown ter caído em seu banheiro e inventado o capacitador de fluxo, aqui estava eu, também no banheiro, mas dessa vez como um bom portador de TDAH, aproveitando o banho e perdido dentre meus pensamentos. Mas não, não foi dessa vez que concretizei a versão brasileira da máquina […]

Ler o post