Meninas Malvadas, uma guerra por garotos e status

Curtir e compartilhar esse post:
facebook:
twitter:
google plus:
pinterest: pinterest

Meninas Malvadas, mais um excelente trabalho de Lindsay Lohan, é uma comédia teen sobre colegiais brigando por meninos e status social. Uma comédia com direito a lição moral e risadas.

Cady Heron (Lindsay Lohan) é uma adolescente americana que foi criada na África, nunca foi à escola. De volta aos EUA, é hora de ela enfrentar o high school. Como sempre, a adaptação não é assim tão fácil, embora tenha feito de cara dois amigos considerados “diferentes” pela turma em geral, Damian (Daniel Franzese) e Janis (Lizzy Caplan).

Logo em seguida, conhecemos Regina George (brilhantemente interpretada por Rachel McAdams), a patricinha-mor do colégio, acompanhada sempre pela bisbilhoteira Gretchen (Lacey Chabertt) e a pamonha estereotipada Karen (Amanda Seyfried). O trio acaba recrutando Cady para participar da high society.

Se você acha que se apaixonar pelo ex da amiga não tem problema, não conhece Regina. Regina é, nas palavras de Damian “fabulosa, porém má”. A loira se coça quando Cady se mostra interessada por Aaron (Jonathan Bennett) e faz de tudo para atazanar a vida da garota. Com raiva, Cady pretende descobrir tudo sobre Regina e destroná-la, sem se dar conta de que está, ela mesmo, virando uma garota malvada.

Tina Fey arrasou em seu primeiro roteiro, com essa temática adolescente tão latente. O roteiro é baseado num best-seller de Rosalind Wiseman, Queen Bees & Wannabes, que fala sobre o poder das panelinhas no colégio. Excelente filme com atuações muito interessantes.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=6YjSIvmNjT8?rel=0&w=598&h=390]

Ficha Técnica

Título: Meninas Malvadas (Mean Girls)
Diretor: Mark Waters
Ano: 2004
Gênero: Comédia
Duração: 97 minutos

Curiosidade: Em 2010 foi anunciada a sequência de Meninas Malvadas (Mean Girls 2), com Meaghan Martin (a patricinha Bianca em 10 Coisas que eu Odeio em Você) e a brasileira Maiara Walsh (a Sarah de The Vampire Diaries). O filme será baseado no livro Queen Bee Moms and King Pin Dads da escritora Rosalind Wiseman, embora não haja direção e roteiro de Mark Waters e Tina Fey.

Você também pode gostar de:

Ela é a Poderosa
Sorte no Amor
Top 10 – Dicas de filmes de patricinhas
Top 10 – Dicas de filmes para uma festa do pijama

O Lado B desses êmes-pê-não-sei-do-quê

“É possível que dentre o silêncio dos nossos pensamentos, ao som do lado b que deixou de existir nesses êmes-pê-não-sei-do-quê, pudesse se ouvir um ‘oi’ no meio de um riff clichê.” – Dezembro de 2008 Eu deveria ter uns cinco ou seis anos na época em que comecei a me interessar pela música. Não a […]

Ler o post

Chaplin: com um sorriso e talvez, uma lágrima

Em uma época que não havia efeitos especiais, lá estavam os personagens, mudos, monocromáticos, mas nem por isso menos mortais. Eram deuses, enchendo de vida os olhos da platéia com suas expressões sinceras e humanas. Deixamos, naquele tempo, a discriminação de lado ao nos apaixonarmos por um maltrapilho de bengala e fazer o bom uso […]

Ler o post

Top #5: Documentários

Botinada, 2006 A Origem do Punk no Brasil | Assista ao trailer Curiosidade: O documentário foi dirigido pelo VJ e Jornalista, Gastão Moreira. Houve também uma versão extra-oficial com imagens e músicas de bandas internacionais que não sairam na versão oficial devido ao alto preço cobrado pelas gravadoras para liberar essas imagens e músicas. When […]

Ler o post

Orgulho e Preconceito, por Jane Austen e Joe Wright

Jane Austen. Você já deve ter ouvido o nome dessa escritora que nasceu em 1775, na Inglaterra.  Eu também já tinha ouvido falar, e normalmente a associava a dois conceitos: coisa de mulherzinha e clássicos da literatura. Foi apenas quando conheci de fato uma das suas obras (Razão e Sentimento) que a primeira associação desapareceu. […]

Ler o post

The Good The Bad: o new surf music para +18

Formada por Adam Olsson, Johan Lei Gellett e Manoj Ramdas (guitarrista do The Raveonettes), a The Good The Bad é uma banda dinamarquesa composta por duas guitarras e uma bateria. Autodenominados de “nem tão bons, ruins e definitivamente não tão feios”, o resultado é a junção de duas das melhores coisas desse mundo: sexo e música. O “new school […]

Ler o post